colunas fantasia grimdark

Rants literários: o problema com a fantasia grimdark

14:55neo


Sim, eu estou fazendo um rant sobre fantasia grimdark. Aposto que ninguém está muito surpreso, já que estou constantemente expressando o quanto odeio a fantasia grimdark em resenhas por aí. Ontem, por acaso, enquanto matava tempo na hora em que devia estar estudando para minha prova na segunda, acabei em um post que falava justamente sobre a fantasia grimdark e sobre qual, na opinião da autora, era seu problema. Ler esse post foi como finalmente enxergar após ter ficado muito tempo cega. Veja bem, eu já sabia que odiava fantasia grimdark, mas sempre atribuí esse desprezo todo à forma com que vários livros do gênero usam a violência apenas para chocar. Agora, no entanto, percebo que odeio esse tipo de obra por vários outros motivos que até então eu sentia que existia, mas não sabia exatamente quais eram.

Para quem não sabe, a fantasia grimdark é um subgênero da fantasia que abrange livros mais pesados, livros que são famosos por serem mais "realistas", sendo assim considerados por possuírem sexo, violência, drogas, xingamentos, sujeira, morte e personagens cinzentos em suas histórias. Gostaria de deixar claro que não acho que a existência desses elementos seja um problema (personagens cinzentos, aliás, são uma dádiva para o gênero), mas sim o que eles geralmente trazem. E o que eles trazem é justamente o motivo de eu odiar tanto esse subgênero, motivo esse que é estupidamente simples, tão simples que eu não faço ideia do porquê não o notei antes: a fantasia grimdark não é escrita para mim.

Na verdade, a fantasia grimdark não é escrita para você se for ou mulher ou não-branco ou não-heterossexual. Fantasia grimdark é escrita para homens heterossexuais brancos. Simples assim.

Bem, fantasia como um todo sempre foi escrita por homens heterossexuais brancos para homens heterossexuais brancos, mas isso, na minha opinião, se deve ao fato de que até pouco tempo atrás era visto como normal colocar a mulher como um ser inferior nas histórias, ou ignorar totalmente a existência de não-brancos e não-heterossexuais, porque, bem, mulheres eram vistas como inferiores na sociedade, e não-brancos e não-heterossexuais eram completamente invisíveis (e muitas vezes ainda são). Fantasia (e ficção científica também) nasceu sendo escrita por homens heterossexuais brancos para homens heterossexuais brancos porque antigamente eles eram vistos como os únicos que importavam. E nem preciso dizer que hoje em dia as coisas não são mais assim, certo? Foi preciso muita luta e muito murro em ponta de faca para fazer o público geral entender que sim, mulheres, não-brancos e não-heterossexuais precisam e merecem ser representados em tudo, não só na literatura. As coisas finalmente começaram a mudar. Sim, ainda aos poucos, mais para as mulheres (geralmente brancas) do que para não-brancos e não heterossexuais, mas as coisas estavam mudando. Havíamos enfim saído da inércia.

Mas aí a fantasia grimdark ganhou força e de uma hora para outra estávamos mais uma vez de volta à estaca zero. E é por isso que eu a odeio tanto.

Como exatamente a fantasia grimdark nos levou de volta à estaca zero? é o que você pode estar se perguntando, e a resposta é simples. A fantasia grimdark se caracteriza por sua violência, sexo, drogas, xingamentos, sujeira, morte e personagens cinzentos, certo? E, como eu disse, esses elementos não são o problema. O problema é que, na fantasia grimdark, (na maior parte das vezes) a violência significa violência contra a mulher/não-branco/não-heterossexual, sexo significa estupro, xingamentos significa xingamentos contra a mulher/não-branco/não-heterossexual, sujeira, drogas e morte estão presentes apenas para chocar e personagens cinzentos significam apenas personagens amargos e/ou raivosos. Ou seja, esses elementos trazem basicamente sexismo, homofobia, racismo e escrita pobre, e ao invés de colocar a mulher como ser inferior e ignorar não-brancos e não-heterossexuais por influência da sociedade sexista, homofóbica e racista da época, agora o fazemos porque isso é, supostamente, ser realista.

Mas isso é ser realista onde?

Segundo escritores e fãs da fantasia grimdark, na idade média. Mas, ao contrário do que eles pensam, havia sim não-brancos na idade média (prestem atenção na aula de história de vocês, fazendo o favor) e mulheres eram vistas como seres inferiores por culpa da nossa querida Igreja Católica. Ser não-heterossexual era um pecado terrível também por culpa da já citada Igreja Católica. Mas nas fantasias grimdak não existe uma Igreja Católica. Na verdade, nos livros do tipo que eu li, quase nunca há a presença forte de qualquer tipo de igreja.

Ou seja, esses livros são sexistas, racistas e homofóbicos sem ter uma explicação plausível. Esses autores estão tomando emprestado coisas da nossa idade medieval para colocar na história deles sem pensar duas vezes em qualquer tipo de explicação ou justificativa, sem refletir sobre causa e consequência, apenas porque ser sexista, racista e homofóbico é supostamente "realista". Ironicamente, o único livro grimdark que eu conheço com uma presença forte da igreja é o que estou lendo agora, A Canção do Sangue, e até o momento as (poucas) mulheres apresentadas foram bem retratadas. Em conclusão: o já batido argumento de "as coisas eram assim na idade média, então nós estamos apenas sendo realistas" não é válido. E, pelo amor de todos os deuses, existentes ou não, por que diabos sempre querem basear tudo na idade média? Eu só consigo ver um motivo: preguiça e zona de conforto. Sem mais.

E é por isso que fantasia grimdark não é escrita para mim. Eu, como mulher e pessoa provavelmente não-heterossexual, não tenho espaço algum em histórias desse tipo. Quando vou contra meu sexto sentido e pego uma fantasia grimdark para ler, eu já a começo sabendo que as mulheres ali provavelmente só servirão para serem estupradas, objetificadas e deixadas de lado, e sei também que terei que aguentar homens (brancos e heterossexuais em 99% das vezes) fazendo piadinhas obscenas e degradantes sobre mulheres o tempo todo. E isso enche o saco. Já cheguei ao ponto de me sentir fisicamente cansada ao ler um livro de fantasia grimdark de tão frustrada que já estou com o subgênero a essa altura do campeonato.

E o mais frustrante ainda é saber que esse tipo de coisa continua acontecendo não por causa de uma coisa difícil de se mudar como a visão de uma sociedade de certa época, mas sim porque esses autores (em sua esmagadora maioria homens brancos heterossexuais) decidiram que é "realista" ser homofóbico, racista e sexista. Mas, surpresa!, não é.

Outro argumento que já vi um autor de fantasia grimdark usar para defender obras assim é que "às vezes o mundo é uma merda mesmo", e desculpe, mas é uma merda para quem? Para seu protagonista homem branco e heterossexual que escolheu ser um mercenário sanguinário e acabou perdendo a família? Sério? Porque pra mim ele é uma merda mesmo para as mulheres que seu mercenário sanguinário e colegas estupraram, para os não-brancos que na maioria das vezes sequer existem, e que quando existem são tratados como selvagens estúpidos, e também para os não-heterossexuais, que estão em um estado ainda pior de não existência. E quando existem, principalmente se forem mulheres lésbicas, é quase certeza de que acabarão estuprados e mortos.

Ou seja, o mundo é uma grande merda para todo mundo, menos para o protagonista branco heterossexual, que vive em estado de angst por causa muitos menores. Por que será, me pergunto, que isso não me surpreende nem um pouco?

E é por isso que acredito que a fantasia grimdark nos levou de volta à estaca zero. Não mais temos sexismo, racismo e homofobia em livros de fantasia por questões externas, mas sim porque se tornou regra. E quem não obedece essa regra é imediatamente colocado como inferior por ser "irreal". Já perdi a conta de quantas vezes vi um fã de fantasia grimdark zombando dos outros tipos de fantasia porque, na opinião deles, esses outros tipos de fantasia não são "sérios". São fracos, são livros para crianças. Fortes mesmo, sérios mesmo, são aqueles que leem fantasia grimdark, porque ela mostra o mundo como ele realmente é, e isso obviamente inclui racismo, sexismo e homofobia sem causa ou explicação. Bônus se tiver escrita pobre, já que agora todo personagem é um babaca, e aqueles que não são acabam vistos como idiotas.

Sinceramente? Me poupem. Sério. Bleh.

Mas Lynx, você pode estar se perguntando, por que esses autores querem tanto continuar considerando racismo, homofobia e sexismo como realismo?

Na minha opinião, sendo bem sincera: porque não os atinge e nem à maioria dos seus personagens principais. Veja essa lista aqui, a lista de grimdarks segundo o Goodreads. Veja quantos tem protagonistas femininas. Ou não-brancos, ou não-heterossexuais. Praticamente nenhum, né? É por isso que racismo, homofobia e sexismo vão continuar como a norma na fantasia atual, porque racismo, homofobia e sexismo garantem que o homem heterossexual branco vai continuar como protagonista. E obviamente é isso que homens heterossexuais brancos querem.

E gostaria de lembrar que a maioria esmagadora de escritores de fantasia, grimdark ou não, é formada por homens brancos heterossexuais. Interessante, né? Ha.

Não direi mais nada. Acho que nem preciso. A verdade está aí para quem quiser ver.

(texto que li ontem e me motivou a fazer esse post - em inglês).

Você pode gostar de:

3 comentários

  1. Só aplausos para esse post!

    Não tenho paciência com esse tipo de livro. É 2014, cansei de autores de fantasia sem imaginação, que não conseguem criar universos com outras visões de mundo ou pelo menos tratar dessas questões polêmicas e problemáticas de uma forma contestadora/inovadora (vi que vc vai ler The Way of Kings - a série aborda o racismo de uma forma muito interessante!). Da homofobia gratuita então, passo longe. Isso é coisa de autor que não para pra pensar na hora de construir seu universo. Claro que pode existir, mas tem que ser coerente com o mundo da pessoa e não estar lá simplesmente porque o autor aceita como algo "natural" e universal. Bleh.

    ResponderExcluir
  2. Penso do mesmo modo. O problema não é nem o racismo/homofobia/sexismo existir, é mais o modo como esses temas são tratados mesmo. Na maior parte das vezes, estão presentes apenas porque o autor teve preguiça de sair da sua zona de conforto e para servir de acessório, para ilustrar essa violência toda que aparentemente torna esses livros tão reais. O que mais me frustra é que nunca é o protagonista quem sofre com o racismo, a homofobia e o sexismo. Nunca é o personagem principal que acaba estuprado, rebaixado a um papel de selvagem, preso pelas normas da época ou mesmo morto. Como eu disse, a violência contra outros, contra essas minorias/grupos discriminados, é vista apenas como acessório, e enquanto isso os protagonistas brancos heterossexuais continuam sendo os atores principais. Esse tipo de coisa cansa mesmo.

    ResponderExcluir
  3. Eu adoro grimdark. Eu gosto justamente por ser violento e adulto e unir fantasia, por isso nunca me importei muito com os protagonistas - as características por si só dão asas à minha imaginação. Por exemplo: tem esse textgame pra android que é grimdark, que é a saga de um mago. Lá pela 5a parte se não me engano, aparece uma seita de assassinas de elite mascaradas que usam o terror psicologico nos seus oponentes. Isso me intrigou. Quem são elas? Como foram treinadas? Como seria o dia-a-dia de uma delas? Como se encaixam no universo grimdark? Isso me inspirou bastante. Tem um livro grimdark mais famoso chamado Best Served Cold, do Joe Abercrombie, que a protagonista é mulher. Ainda não tem aqui no Brasil, mas tá disponível em inglês em alguns sites (achei dois). Super bem escrito, crível e a (anti?)heroína é moooito fodona. Lembra muito Kill Bill pelo plot e pela protagonista, mas felizmente o que a Monza Murcatto e a Beatrix Kiddo mais tem em comum é o nível de "badassery" (motivo, personagens, atitude e aparencia são destoantes). Ela tem uma frase de efeito melhor que a outra, e a compostura dela é tão f###daaa.
    E, embora seja considerado YA, considero o livro Dark Triumph (ou Divina Vingança aqui no Brasil), com uma protagonista feminina, um grimdark (os outros dessa série...nah), tanto pelos personagens, como pelas dinamicas entre eles, pela complexidade da principal e obviamente pela violência.
    Enfim, se o motivo for só por causa dos herois branco e hetero, tem um ou outro que as mulheres já dão conta do recado.
    Gente, Best Served Cold, eu recomendo muito, muito mesmo. Enfim. Dá vontade de falar sobre esse livro por horas rs.
    Ps.: engraçado notar que eu não curto fantasia geral justamente pelo mesmo motivo - odeio aquele lá do Patrick Rothfuss e tentei aquele do príncipe bastardo assassino e desisti depois de umas 20 páginas. Minha conclusão é que não adianta se remexer pra gostar de algo, por mais que seja aclamado, se você não se sente empolgada pela sinopse já é motivo pra desistir da leitura (pelo menos pra mim). Pq vc sempre vai achar defeitos num livro, independente do gênero. Mas se for do teu gosto, dificilmente você se arrepende de investir nele. Meu critério com livros é esse agora (por isso tb deixo passar batido um monte de grimdark ai... Meu criterio é sempre a historia+elementos dela).

    ResponderExcluir

Formulário de contato